Exames oftalmológicos: conheça um pouco mais sobre eles

12 de dezembro de 2012Juliana
exames de vista

Conheça um pouco mais sobre alguns exames oftalmológicos, utilizados para prevenir, diagnosticar ou tratar doenças oculares, por isso é importante ir ao oftalmologista regularmente, muitas doenças podem ser diagnosticadas previamente são curáveis, veja alguns exames:

Topografia de córnea

Realiza o mapeamento topográfico do relevo da córnea. Também colabora para a identificação precoce de doenças. Ajuda na adaptação de lentes de contato, no diagnóstico para cirurgias refrativas, catarata e transplantes de córnea.

Para se obter um resultado, o aparelho projeta anéis luminosos na córnea, capturando a imagem por uma câmera e repassando para um computador, que apresenta o resultado calculado por um mapa, especificando cada região com cores diferenciadas. O paciente deve suspender o uso das lentes de contato (caso já seja usuário) cinco dias antes do exame ser feito. Caso o médico autorize o uso, deve constar essa informação no pedido do exame.

Tonometria de Contorno Dinâmico

Também conhecido como Tonometria de Pascal, mede a pressão intraocular, fornecendo um outro parâmetro chamado Amplitude de Pulso Ocular. Ou seja, uma medida contínua da perfusão ocular, refletindo o fluxo sanguíneo de acordo com o pulso cardíaco.

Para se chegar a um resultado, é necessário utilizar um sensor eletrônico no centro de uma ponteira, responsável por registrar a pressão intraocular 100x por segundo durante todo o ciclo cardíaco. Este aparelho é acoplado a uma lâmpada de fenda, para fornecer automaticamente as medidas no visor de cristal liquido, e consequentemente, exportados para a tela do computador. É necessário suspender o uso de lentes de contato no dia do exame.

Biometria Ultrassônica

Mede o comprimento axial do olho e utiliza dados de ceratrometria para calcular o valor da lente intra-ocular. Muito utilizado para implantes, como cirurgia da catarata. Uma sonda é utilizada e aplicada à superfície da córnea, emitindo sons em alta frequência. Com as ondas refletidas durante um período de tempo, é possível calcular a distância entre as córneas. É recomendável suspender o uso de lentes de contato 3 dias antes do exame, caso já seja um usuário.

Exofalmometria

Mede o grau de protusão do globo ocular. Auxilia o diagnóstico de doenças orbitárias, como tumores e hipertireoidismo. O procedimento é simples, realizado em adultos e crianças com uma régua ocular, medindo a protusão ocular.

Exofalmometria

Fotografa as células do endotélio (camada profunda da córnea). Este exame permite a análise quantitativa e qualitativa das células, como formato, tamanho e quantidade e são muito úteis em pré-operatórios de cirurgias de catarata, glaucoma, transplante de córnea e outras doenças. Resumidamente, este exame colabora para a exposição do comportamento da córnea do paciente depois de uma agressão cirúrgica. É necessário suspender o uso de lentes de contato no dia do exame.

Campimetria

Um exame computadorizado que detecta e quantifica anormalidades no campo visual, além de monitorar a evolução de tratamentos clínicos e/ou cirúrgicos. Utilizado para avaliação de defeitos causados no campo visual por conta de doenças neurológicas.

O exame é feito com o auxílio de um programa, que estimula com luz vários pontos da retina e o paciente responde a esses estímulos utilizando um controle manual. Dependendo do resultado que se deseja obter, os estímulos podem ser diferenciados. Muito utilizado em casos de neuropatia, glaucoma e alterações retinianas e plástica ocular.

Paquimetria ultrassônica

Mede a espessura da córnea com um ultrassom, utilizado em casos de glaucoma, ceratocone, cirurgia refrativa, edema de córnea e outras doenças. Trata-se de um exame rápido, que exige que o paciente fixe os olhos em um ponto determinado pelo médico, assim a sonda ultrassônica mede especificamente a espessura corneal. É necessário a suspensão do uso de lentes de contato 5 dias antes do exame.

Orbscan

Analisa todas as camadas da córnea simultaneamente: curvatura, diâmetro, elevações, espessura e profundidade da câmara anterior. Utilizado em casos de pacientes que farão cirurgias refrativas, catarata, tratamento clínico ou cirúrgico.

Para obter um resultado, o exame consiste em capturar imagens sem contato direto com os olhos do paciente. É necessário suspender o uso de lentes de contato 5 dias antes do exame.

Acuidade Visual

Avalia o potencial da visão em pacientes que farão cirurgia de catarata, informando o nível de melhora da visão pós cirurgia. Nesse caso, o exame consiste em um teste utilizando um letreiro luminoso e nele aparecem letras ou números, e que o paciente deve dizer o que enxerga. Em alguns casos a pupila é dilatada para obter um resultado melhor na avaliação.

É aconselhável suspender o uso de lentes de contato no dia do exame. Porém, é necessário levá-las para avaliação.

Estereofoto da papila

Acompanha a evolução de pacientes com glaucoma, edema de papila, alterações no nervo óptico ou suspeita das respectivas doenças. Uma fotografia da papila ou disco óptico é tirada, e a luz forte utilizada pode incomodar um pouco durante o procedimento, podendo causar até fotofobia temporária. Mas como há dilatação da pupila, é necessário que o paciente esteja acompanhado. Por isso é aconselhável o não uso de lentes de contato durante o exame.

Sensibilidade ao Contraste

Analisa o desempenho da visão em níveis de iluminação diferenciados, por conta de diversas doenças oculares reduzirem a acuidade de contraste da luz, como doenças da córnea, catarata e degeneração da retina. O exame é indolor e realizado em um ambiente com iluminação reduzida. Só para exemplificar, o paciente lê uma tabela com letras pequenas e descreve os estímulos em listras projetadas. No entanto é necessário levar ao avaliador os óculos e/ou lentes recentemente usadas e realizar a avaliação utilizando-as.

Mapeamento da retina

Apresenta resultados específicos e detalhados da visão. Deve ser realizado pelo menos uma vez por ano e é o mais utilizado, pois problemas na retina só se manifestam em estágios avançados, e com ele é possível obter um diagnóstico precoce das alterações causadas por diversas doenças.

O paciente recebe uma projeção de luz no fundo do olho após a dilatação da pupila e a imagem refletida é observada por uma lente utilizada pelo especialista.

Teste ortóptico

Analisa a movimentação ocular e percepção de estímulos visuais, caracterizando detalhadamente o estrabismo, nistagmo e outras condições. Sendo assim, a avaliação determina o alinhamento ou desvio ocular em todas as posições do olho, além de testes sensoriais do uso simultâneo dos olhos, percepção simultânea das imagens e visão em terceira dimensão. Após o exame é necessário realizar exercícios ortópticos no próprio consultório ou até mesmo em casa.

Teller

Avalia a visão da criança, estudando a forma como os olhos dela trabalham durante os estímulos. Só para ilustrar, são mostrados cartões com listras cada vez mais estreitas, até que a criança não manifeste nenhuma preferência. As menores listras percebidas pela criança correspondem à sua acuidade visual. Observa-se, através de um orifício localizado no meio do cartão, o movimento que a criança realiza para fixar um lado ou o outro.

Ultrassonografia

Realizado com uma sonda em contato com a pálpebra fechada. O paciente deve movimentar os olhos conforme o especialista solicita, assim diferentes regiões dos olhos são examinadas. Assim a intenção é diagnosticar descolamento de retina, hemorragia, luxação de cristalino, lesões, tumores, entre outras diversas doenças.

Fundoscopia

Detecta lesões ocasionadas pelo glaucoma, doenças do nervo óptico e de retina. Consiste em deixar o paciente em um ambiente com baixa iluminação, evitando a contrição da pupila, despertada pela luz. Então o aparelho utilizado permite observar as estruturas do olho através da pupila, após a dilatação das vistas.

Biomiscropia de fundo

Exame de rotina que inspeciona as estruturas do segmento posterior com aumento de iluminação adequada. O paciente senta em frente ao aparelho, que possui uma lâmpada de fenda, e o especialista utiliza uma lente especial para a avaliação, depois de dilatar as pupilas do examinado.

Gonioscopia

Utiliza lentes especiais apoiadas na córnea, o que permite ao especialista estudar o ângulo em que a íris se encontra com a córnea. Ideal para pacientes com suspeita de glaucoma. Mas é necessário o uso de colírio anestésico.

Teste de Schimer

Uma dobra pequena de fita de papel é aplicada sob a pálpebra inferior. O comprimento da fita umedecida é medido, avaliando assim a produção de lágrimas.

Rosa Bengala

Indicado para pacientes que possuem olhos secos, pois avalia o grau de desvitalização das células da superfície da córnea e conjuntiva. Um produto chamado Rosa bengala é utilizado no procedimento, por isso que leva o nome do exame .

Tonometria de Aplanação

Utilizado para medir a pressão intra-ocular, diagnosticando assim o glaucoma. Também utilizado para avaliar se os colírios usados para o tratamento da doença apresenta melhorias.

Teste de Ishirara

Analisa a percepção das cores, indicada para daltonismo, doenças do nervo óptico, entre outras. Assim sendo, o exame consiste na exibição de uma série de cartões coloridos, cada um contendo vários círculos feitos de cores ligeiramente diferentes das cores daqueles situados nas proximidades. Seguindo o mesmo padrão, alguns círculos estão agrupados no meio do cartão de forma a exibir um número que somente será visível pelas pessoas que possuem visão das cores. Assim ao todo são exibidas 32 placas para identificação dos algarismos ocultos entre os círculos. Mas o número de acertos pode variar conforme o grau e o tipo de daltonismo.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post anterior

olhos secos

Olhos secos: o que fazer?

4 de dezembro de 2012

Próximo Post

fotofobia

Fotofobia: saiba mais sobre a hipersensibilidade à luz

27 de dezembro de 2012